Tendências

ESPECIAL: Como devemos nos preparar para o futuro?

por ViaFlow em 29/10/19

Estamos vivendo um momento de necessidade acentuada de mudanças e adaptações constantes por parte de empresas e organizações. A grande velocidade em que estas mudanças acontecem, nos remetem a um destino incerto, onde modelos consagrados de sucesso são facilmente colocados em cheque e postos de frente a uma série de desafios quando olhamos para o futuro. Por outro lado, também conseguimos diversas oportunidades em meio a este cenário.

Neste último dia 14 de outubro, a Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes) realizou a 9ª edição do Abes Software Conference, uma das mais importantes conferências do setor de tecnologia no Brasil, e trouxe esta reflexão, junto de diversos painéis para debate com o mercado brasileiro.

Segundo Paul D. Roberts, diretor de inovação e estratégias da Singularity University, e painelista desta edição da conferência, “A principal coisa que você pode fazer é não planejar o futuro com a visão do presente”

>>> CONFIRA A ENTREVISTA EXCLUSIVA

Por isso, imagine como será o mundo daqui a 10 anos e avalie se a sua operação está tomando as melhores decisões ou se seus investimentos estão realmente alinhados com seu planejamento estratégico? As respostas nem sempre são claras e vemos os líderes cada vez mais desafiados a implementar diversas mudanças de maneira rápida e sem perder o controle necessário do processo.

A redução dos custos com o uso de automações e tecnologias emergentes devem levar as empresas a um bom desempenho, aliado a um crescimento considerável. Entretanto, se não forem bem planejadas, estas ações podem apresentar sérios riscos a operação, entendendo assim que antecipação e inteligência devem definir se seu caminho será de crescimento ou somente de custeio e manutenção.

Então fique atento a todas estas variáveis e busque os recursos de acordo com suas necessidades, garantindo sempre que os riscos também sejam identificados e gerenciados para todas as peças deste quebra-cabeças se encaixarem e que as mudanças façam sentido também dentro do médio e longo prazo.